DADINHO: Sobotoms é tricampeã estadual de equipes

Fernando Reis, Roberto Giolo e Rodrigo Alva levantam a taça de forma invicta em 2019

12 TOQUES: Inédito! Léo Anache é 100% ao vencer a 3ª etapa do Aryzão

Pódio é completado por Beneides Júnior, Cláudio Júnior e Willian Izaias; veja resultados

Venezuela vence a Copa América de futebol de mesa

Fernando Reis leva a Vinotinto ao topo do pódio ao derrotar Willian Izaias, com o Peru; veja resultados

HALL DA FAMA: Todos os campeões do futebol de mesa

Veja galeria de troféus dos principais torneios oficiais promovidos pela Fefumems

QUEM SOMOS: Veja os botonistas cadastrados em Mato Grosso do Sul

Confira a ficha de cada atleta e o currículo nas principais competições

ESTATÍSTICAS: Todos os torneios oficiais e amistosos

Veja o desempenho de cada botonista em cada torneio da Fefumems

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Deu na TV: campeonato de futebol de mesa em MS!

Galera, a TV Morena exibiu nesta terça-feira (6) a reportagem sobre o 1º Campeonato Sul-Mato-Grossense de futebol de mesa, modalidade dadinho. Veja como foi:


segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Times de futebol de mesa completos e à venda em Campo Grande


Se você está interessado em jogar futebol de mesa em Campo Grande, atenção: estamos com 4 times completos à venda e à pronta-entrega.

Os escudinhos podem ser modificados. O kit vem com 10 botões e um goleiro, todos em medidas oficiais para a regra dadinho.

Mais informações, entre em contato: futeboldemesams@gmail.com. Mas corra para garantir a sua equipe! É tudo a preço de custo, uma barbada!

domingo, 4 de dezembro de 2011

A crônica do jogo: 1º campeonato sul-mato-grossense de dadinho


Astra, campeão sul-mato-grossense de futebol de mesa, modalidade dadinho

O segredo de toda história bem-sucedida está nos pequenos detalhes, surgidos a partir das experiências vividas por seus protagonistas. E essa riqueza de nuances, gerada pelos participantes do nosso primeiro campeonato de futebol de mesa, é digna de ser contada e recontada.

Tem coisas que as câmeras e os repórteres não captam. Estavam nas entrelinhas, entre as quatro linhas e também fora delas. Como a união familiar de Marlene e Marcello com os filhos, em prol do esporte. E o Newton, que não se cabia de contentamento com o próprio desempenho no torneio.

O que dizer, então, da faceirice do Bira a cada gol marcado por Serginho Chulapa, Murici e companhia? Ah, e tem o Davi, que primeiramente [salva de palmas]... o Davi, que [salva de palmas]... o Davi, que matou a pau com a logística do campeonato.

No sorriso escancarado do pai, Gil, a alegria de ver o feito alcançado pelo filho, Victor: a primeira medalha como jogador. E quando o pequeno Joaquim disse "é, pai, não tem mais jeito", Guga sabia ser impossível reverter a vantagem de cinco gols do adversário nas quartas de final.

Falando em pais e filhos, o discípulo Lucas superou o mestre Bira ao avançar de fase. Caiu nas quartas, mas por pouco não foi à frente.

Paulo Cançado bem que vasculhou a mesa em busca de um espaço para armar jogadas ofensivas, mas ficou enredado na marcação de Hélder no meio-campo e perdeu nas semifinais. Rodrigo Alva, o pai fresco da rodada, manteve a tradição fluminense de nadar e morrer na praia. (N.A.: o time em questão é o TFC!)

E o Rafael, hein? Até então conhecido como "rei do empate e da derrota", finalmente ganhou uma! E parou por aí.

Ademar não perdeu nenhuma partida, mas não foi além. A vaga escapou por um pontinho. Fernando foi outro que não se saiu mal, faltou estufar mais as redes: em seis jogos, apenas um golzinho marcado. Marcello, que ficou com a última vaga da primeira fase, fez bonito nas quartas e só foi eliminado por causa do retrospecto inferior. Gilberto chegou manso e até ganhou na estreia, mas também não conseguiu a classificação.

Final em pé de igualdade
E a final... que bela final! Roberto, conhecido pela frieza e constância de jogo, tremeu a paleta na primeira partida. Levou um 2-0 inapelável e seus tiros não tinham eficácia. No jogo de volta, a conversa foi bem diferente. Recalibrou a pontaria e abriu 2-0 logo no primeiro tempo.

Na segunda etapa, o terceiro gol foi uma pintura, no ângulo, sem chances para o arqueiro. Hélder reequilibrou as forças com o adversário ao dividir uma bola com o zagueiro e descontar.

Aí apareceu o atacante Edu, da Almeidense, dono de mais de 1600 tentos na longeva carreira, para marcar 4-1. Mas, se Edu tinha estrela, o Astra tinha onze. E no último minuto, o camisa 4 guindou a bola por sobre o goleiro Pernil, tilintando a trave antes de estufar o filó.

Todos saem vitoriosos
Ao fim e ao cabo, pouco importa saber quem leva a taça para casa. O sorriso no rosto de cada um é a recompensa do esforço conjunto para a organização do torneio. E quem ganha sempre é o futebol de mesa.

Há décadas o esporte é praticado pelo país afora, e Mato Grosso do Sul terá em breve um bom número de jogadores ativos. No dia da inscrição, apareceram três novos adeptos ao grupo: Dirceu, Cláudio e Cristian. É assim que deve ser. Que venham mais e mais pessoas apaixonadas pelo botão.

Resultados do 1º Campeonato Sul-Mato-Grossense de dadinho


Foto oficial dos jogadores que participaram do campeonato

O jogador Hélder Rafael conquistou o 1º campeonato sul-mato-grossense de futebol de mesa, modalidade dadinho. A competição reuniu 21 inscritos e foi disputada neste sábado (3), na sede da Escolinha do São Paulo Futebol Clube, em Campo Grande. A final contra o jogador Roberto Almeida foi disputada em duas partidas. No jogo de ida, Hélder venceu por 2 a 0, e na volta perdeu por 4 a 2, mas ficou com o troféu por ter feito melhor campanha nas fases anteriores.

Em terceiro ficou Rodrigo Alva, e em quarto, Paulo Cançado. Na Série Prata, José Ubirajara Coelho Júnior levou a melhor sobre os adversários e ficou com a medalha.

O vice-presidente da Federação de Futebol de Mesa do Rio de Janeiro (Fefumerj), Ronald Neri, esteve presente ao evento e reconheceu o nível técnico equilibrado entre os participantes. "O jogo é praticado no Brasil há décadas, e está surgindo com força em Mato Grosso do Sul. Nós da federação carioca damos todo o apoio para que o pessoal comece a jogar", afirma.

Equipe de TV acompanha demonstração dos cariocas Ronald Neri e Bruno Romar
Quem também veio a Campo Grande para acompanhar o torneio foi o jogador Bruno Romar, que defende o Vasco da Gama. "É muito bom ver essa galera reunida, alguns voltando a jogar e as crianças aprendendo as regras. Esse esporte é um prazer que não pode ser esquecido", diz Romar.

O evento, organizado pela Sobotoms, e contou com parceria da Fundesporte e da Funesp. Interessados em praticar futebol de mesa em Campo Grande podem saber mais em http://sobotoms.blogspot.com ou pelo telefone (67) 9976-1700.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Última chamada: Campeonato de futebol de mesa


Campo Grande sedia no próximo sábado o 1º Campeonato Sul-Mato-Grossense de Futebol de Mesa, modalidade dadinho. O torneio vai reunir 20 jogadores, e as partidas serão disputadas em mesas oficiais. Haverá distribuição de troféus e medalhas a aos participantes.

O futebol de mesa é bastante difundido por todo o país, principalmente em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Esta é a primeira vez que Mato Grosso do Sul recebe um torneio da modalidade. Por meio do campeonato, os organizadores pretendem estimular a prática desse esporte que reúne paixão pelos clubes, competitividade e lazer.

A sede do campeonato fica na Av. Rodoviária, 1014, bairro Coronel Antonino, em Campo Grande. Veja no mapa como chegar.

O evento conta com o apoio da Federação de Futebol de Mesa do Rio de Janeiro (Fefumerj) e da Confederação Brasileira de Futebol de Mesa (CBFM). Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (67) 9976-1700 ou e-mail contato@sobotoms.com.br.

domingo, 27 de novembro de 2011

Taça Marandu - fotos da final!

O companheiro de futmesa Rodiney Mauro registrou a final da Taça Marandu, disputada na semana passada entre os filiados da Sobotoms. Lembrando que o troféu foi conquistado pelo Roberto, da Almeidense, sobre o Grêmio Bagé, treinado por Guilherme.

Para relembrar como foi a final, veja aqui.

Concentração absoluta dos finalistas no Embrapão

Troféus da Taça Marandu

Vice Guilherme e campeão Roberto




Regra oficial do dadinho (9x3): principais tópicos

A regra dadinho é a praticada pela maioria dos botonistas em Campo Grande, e por isso, colocamos os tópicos principais dos 9 artigos. Se você quiser acessar a regra completa, clique aqui. O regulamento foi elaborado por uma comissão especial da Federação de Futebol de Mesa do Rio de Janeiro (Fefumerj).

Artigo 1 - Campo de Jogo

A medida ideal é 1,84m x 1,24m, podendo oscilar em 10cm, para  menos ou para mais.

As traves ou balizas medem 11cm de comprimento por 4.5cm de altura, medidos pela parte de dentro, e sua espessura mínima é de 0,10 mm e máxima de 0,20 mm, sendo a espessura ideal 0,15 mm.

As mesas deverão estar apoiadas em um par de cavaletes ou similares com uma altura ideal de 80cm, podendo variar 5cm para mais ou para menos.

Artigo 2. : Bola de Jogo (“Dadinho”)

Face do cubo mede 0.6mm x 0.6mm e o seu peso varia entre 0,1 e 0,3 g.

Artigo 3. : Jogadores (“Botões”)

Com diâmetro máximo de 60 mm e mínimo de 35 mm, e sua altura máxima de 1 cm

Os botões de uma mesma equipe poderão ser de tamanhos diferentes, como também, poderão ser de cores diferentes entre si, porém todos devem estar numerados. 

Artigo 4.: Goleiro


Altura: 35 mm, espessura: 15mm, largura: 80cm.

Artigo 5. : Arbitragem

Qualquer técnico poderá ser escolhido como árbitro e deverá portar-se convenientemente à mesa.

Artigo 6. :Botonistas ou Técnicos

Deve portar-se sempre de forma educada e conveniente dentro ou fora da mesa de jogo, com atitudes respeitosas para com adversários e árbitros, cumprimentando-os antes e após as partidas.

Artigo 7. :Tempo da Partida

De 2 (dois) tempos de 7(sete) minutos com 1 (um) minuto de intervalo.

Artigo 8. :Saída de Jogo

Caso o técnico arremesse o “dadinho” diretamente para fora do círculo central, a posse de bola passará automaticamente para o adversário.

Após a saída, não será permitido chute ou arremesso ao gol enquanto o “dadinho” não sair dos limites do círculo central.

Artigo 9. :Jogo, Faltas e  Disciplina

Cada botão somente poderá dar no máximo 3 (três) toques consecutivos (“palhetadas”) individualmente e cada equipe somente poderá dar no máximo 9 (nove) “palhetadas” coletivas, devendo até o 9º (nono) toque obrigatoriamente ser um chute ou arremesso ao gol. Caso  não ocorra, no local aonde o “dadinho” parar, será efetuada uma cobrança de falta indireta.

Para melhor controle, é obrigatório que cada técnico conte seus toques em voz alta 

É proibido fazer “falta proposital” no goleiro ou em qualquer botão adversário, visando atrasar a jogada de ataque do mesmo. Caso isso aconteça, o botão responsável pela falta será imediatamente expulso

Sempre que um botão desloca um adversário após tocar o “dadinho”, seu técnico tem um limite máximo de três toques para chutar a gol (03 toques para definir), desde que com estes 3 toques, não se ultrapasse os 9 toques coletivos regulamentares, que neste caso prevalecerão. 

No último toque com arremesso ao gol, caso o “dadinho” não consiga chegar ao mesmo, permanecendo dentro do campo de jogo por ter sido interceptado por um botão próprio ou do adversário, também será considerada falta técnica.

Caso um técnico peça para colocar o goleiro e, no ato do chute, “fure” (erre o “dadinho”), as condições previstas para que o chute a gol se caracterize não foram cumpridas e deverá ser marcada falta técnica, cobrada do local de onde o “dadinho” se encontrava.

O tiro-de-meta somente poderá ser cobrado por um botão, sempre do mesmo lado pelo qual o “dadinho” saiu, nos casos em que o “dadinho” saia por cima, a cobrança poderá ser de qualquer ponto da pequena área.

É proibido o uso da chamada “bicicleta” (virar o botão), assim como travar o botão com os dedos (o popular “dedinho”).

Após a marcação de um gol. Nesse momento, os técnicos terão 10 (dez) segundos para recolocar seus jogadores em posição de início de jogo.

Após um chute a gol que saiu pela linha de fundo o técnico que acabou de atacar e irá defender, poderá movimentar em 6(seis) segundos até 3 (tres) botões para recompor sua defesa. Esta movimentação poderá ser de botões do campo de ataque para o campo de defesa ou de botões que já estejam no campo de defesa para o próprio campo de defesa. Em hipótese alguma o botão poderá ser movimentado da defesa para o ataque ou dentro do campo de ataque. 

Falta no campo de defesa será obrigatoriamente cobrada indiretamente. No campo de ataque, o beneficiado poderá optar por cobrança direta ou indireta. Nos casos de falta técnica, a cobrança sempre será indireta.

É válida a “Lei da Vantagem”, onde o técnico pode optar em cobrar a falta, ou seguir o jogo e também contar com a zeragem dos toques coletivos e individuais.

É proibido o uso de relógios pelos competidores.

Almeidense fatura pré-campeonato de futmesa

Roberto Giolo (à dir.) com a medalha de 1º lugar no pré-campeonato
O técnico Hélder Rafael manteve a escrita e perdeu mais uma final de campeonato de futmesa. Desta vez, o Astra Sport Club foi superado pela Almeidense, do técnico Roberto, no pré-campeonato disputado no estádio Embrapão, em Campo Grande. O torneio serviu de aquecimento para o 1º Campeonato Sul-Mato-Grossense e reuniu sete jogadores na tarde do último sábado (26).

À frente de várias equipes, Hélder já perdeu este ano as finais do Torneio Amizade, da Copa Aniversário de Campo Grande e de um triangular amistoso. Questionado por jornalistas sobre o motivo dos consecutivos fracassos, o técnico apelou para a astrologia: "com a Lua quarto crescente em Aquário e a conjunção entre Marte e Júpiter, tivemos momentos deprimidos e desanimadores. Mas com certeza o entusiasmo ressurgirá a partir do alinhamento astral de Sagitário, o que deve ocorrer na próxima Lua Vazia", tergiversou.

Rafael cumprimenta o sempre-vice técnico Hélder
O atacante Edu, da Almeidense, foi o artilheiro da competição com seis gols marcados em cinco jogos. O torneio serviu também para firmar negativamente o retrospecto botonista Rafael. Antes conhecido como "rei do empate", o técnico acrescentou o revés ao epíteto e já pode ser chamado de "rei do empate e da derrota". Em 2011, há apenas uma única vitória no currículo, contra adversário que ele nem sequer consegue se lembrar.

A surpresa ficou por conta do Real Madrid, capitaneado por Lucas. Avançou às semifinais do pré-campeonato e vendeu caro ao Astra a vaga na finalíssima, após empatar em 2-2 (abriu 2-0 na primeira etapa) e perder nos pênaltis. Já na outra semifinal, o jogador Bira saiu perdendo para a Almeidense, virou o placar mas não resistiu e tomou a virada novamente.

No período da manhã, estiveram treinando para o pré-campeonato os seguintes jogadores: Luiz Leal, Tiago Rossi, Rodrigo Alva e Ademar Serra.

Bira e o filho Lucas: ambos caíram nas semifinais
Confira a tabela completa:

GRUPO A                                        GRUPO B
São Paulo (Bira)                               Flamengo (Rafael)
Astra (Hélder)                                  Almeidense (Roberto)
Real Madrid (Lucas)                      Comercial (Rodrigo/Guilherme)

1ª fase
São Paulo 2 x 2 Flamengo
Astra 1 x 1 Almeidense
Real Madrid 0 x 0 Comercial

São Paulo 1 x 0 Almeidense
Astra 3 x 0 Comercial
Real Madrid 1 x 0 Flamengo

São Paulo 0 x 0 Comercial
Astra 2 x 0 Flamengo
Real Madrid 0 x 4 Almeidense

Semifinal
Astra 2 x 2 Real Madrid (1-0 pen.)
São Paulo 2 x 3 Almeidense

Final
Astra 1 x 3 Almeidense

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Almeidense leva taça, mas Grêmio Bagé carimba faixa do campeão


Na apresentação do novo uniforme da Almeidense, atacante Edu (5) revela o segredo de tantos gols marcados na carreira: "eu treino com bola no hotel da concentração"

WASHINGTON, D.C. - Cientistas da Nasa anunciaram há pouco, em coletiva de imprensa, que desistiram dos estudos para apurar em que era geológica teve início a Taça Marandu de futebol de mesa. A datação com carbono-14 restou inconclusiva. "Todos nossos esforços foram em vão", afirmou o pesquisador-chefe Vincent Laroche, causando furor entre a comunidade científica internacional.

O torneio, que vinha sendo disputado desde tempos imemoriais, foi vencido nesta quarta-feira (23) pela Almeidense, do técnico Roberto. Até então invicta no estádio Embrapão, a Almeidense sofreu revés de 1-2 para o Grêmio Bagé, comandado por Guilherme. Mas, como no jogo de ida o time de Edu & Cia havia vencido por 5-0, o troféu não escapou do domínio alviceleste.

Com a conquista, Roberto chega à marca de 1.605 pausas-relâmpago durante as partidas para anotar um gol do centroavante Edu. Já a Almeidense, alcunhado pela mídia esportiva local como "Papão do Cerrado", promete voos mais altos em 2012, quando o clube completará 30 anos de fundação. "Nossa meta central é alcançar a Tríplice Coroa Continental, ou seja, Taça Marandu, Campeonato Brasileiro e Libertadores da América", afirmou o dirigente Jac SsangYong.

Como prêmio de consolação por carimbar a faixa do campeão, o Grêmio Bagé ganhará uma caixa de cerveja, conforme havia sido prometida por Roberto para quem conseguisse derrotar a Almeidense em campeonatos oficiais. Em amistosos, porém, a invencibilidade já havia sido derrubada por outro alviceleste, o finado Olympique de Marselha.

O torneio foi batizado com o nome de uma variedade de capim bastante empregada em pastagens destinadas à produção pecuária. O troféu, de caráter transitório, é representado por um bovino assemelhado ao zebu. O campeonato interno da Embrapa reuniu ao todo 28 jogadores e teve 72 partidas realizadas. Uma nova edição do Torneio Marandu deve ser disputada em 2012 caso o mundo não acabe no dia 15 de dezembro de 2011, segundo vaticinou o profeta Davi.

Venha jogar com a gente
O próximo compromisso é o torneio aberto de futebol de mesa, a ser disputado na sede da Embrapa Gado de Corte, em Campo Grande. Botonistas interessados podem entrar em contato pelo e-mail contato@sobotoms.com.br para inscrições ou mais informações.

O aberto servirá como reforço da regra oficial de dadinho para neófitos, e como treinamento para os demais praticantes.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Campo Grande vai sediar campeonato estadual de futebol de mesa



Dos modelos tradicionais de botão aos mais modernos, produzidos com materiais nobres. Com o passar do tempo, o futebol de mesa deixou de ser apenas jogo infantil pra se tornar um grande esporte. Quem pratica, diz que a emoção é quase a mesma dos gramados.

Apesar da disposição dos jogadores, a falta de uma federação em Mato Grosso do Sul ainda é um desafio a ser superado. Para dar mais visibilidade ao futebol de mesa, uma turma em Campo Grande decidiu organizar o primeiro torneio estadual.

A ideia é resgatar o esporte e reunir os praticantes, que hoje não têm um local apropriado para os jogos. E claro, despertar nas crianças o desejo de manter viva essa brincadeira.

As inscrições para o 1º Campeonato Sul-Mato-Grossense de Futebol de Mesa, modalidade dadinho, estão abertas e as vagas são limitadas. Para participar, o interessado deve encaminhar pedido para contato@sobotoms.com.br. Mais informações no site da Sobotoms.

Fonte: GLOBOESPORTE.COM

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

1º Campeonato Sul-Mato-Grossense: inscrições abertas!

Estão abertas as inscrições para o 1º Campeonato Sul-Mato-Grossense de Futebol de Mesa, modalidade dadinho. O torneio será realizado no dia 3 de dezembro em Campo Grande, na Escolinha do São Paulo Futebol Clube. As vagas são limitadas.

As partidas serão disputadas em mesas oficiais, e haverá distribuição de troféus e medalhas a todos os participantes. O evento conta com o apoio da Federação de Futebol de Mesa do Rio de Janeiro (Fefumerj) e da Confederação Brasileira de Futebol de Mesa (CBFM).

O futebol de mesa é bastante difundido por todo o país, especialmente em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Esta será a primeira vez que Mato Grosso do Sul recebe um torneio da modalidade. Por meio do campeonato, os organizadores pretendem estimular a prática desse esporte que reúne paixão pelos clubes, competitividade e lazer.

Para aqueles que já jogaram mas estão afastados das mesas, esta é a oportunidade ideal para voltar a praticar. E quem ainda não conhece, pode vir com a gente. O futebol de mesa é destinado a jovens e adultos de todas as idades.

Mais informações no blog http://futeboldemesams.blogspot.com ou pelo e-mail: futeboldemesams@gmail.com


segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Quadrangular termina sem campeão


CAMPO GRANDE - A Arena Supernova, casa do Astra Sport Club, foi palco neste domingo (6) de um quadrangular amistoso com equipes clássicas do futebol mundial: Peñarol-URU de 1982 (Rafael), São Paulo de 1978 (Bira) e Real Madrid-ESP de 2006 (Lucas), além dos anfitriões.

Os donos da casa e o time merengue terminaram o torneio empatados com seis pontos ganhos (duas vitórias e uma derrota). O tricolor paulista somou quatro pontos em três partidas, e os uruguaios, apenas um.

Astra e Real Madrid fariam a partida de desempate para apontar o campeão geral, mas a disputa foi vetada por unanimidade pelos membros da 5ª Turma do Superior Tribunal Conjugal de Justiça Desportiva, entidade máxima que disciplina os jogadores de futebol de mesa.

Confira os resultados:

São Paulo 1 x 0 Astra
Astra 1 x 0 Real Madrid
Peñarol 0 x 0 São Paulo
Real Madrid 2 x 1 Peñarol
São Paulo 1 x 2 Real Madrid
Peñarol 0 x 4 Astra

domingo, 30 de outubro de 2011

Torneio amistoso triangular - Almeidense campeão!



CAMPO GRANDE - Debaixo de um sol saariano e sensação térmica de 72,4 graus à sombra na tarde deste sábado (30), o técnico Roberto Giolo levou o Almeidense ao título do torneio amistoso triangular de futebol de mesa, disputado no estádio Embrapão. O Peñarol de Hélder ficou em segundo, e os alemães do Borussia Dortmund, comandados por Gilberto, em terceiro.

As balizas usadas nas partidas eram agigantadas em relação às exigências da regra dadinho, fato que propiciou uma menorreia de gols. Na estreia, o Almeidense bateu o Peñarol por 4-3, sendo que o centroavante Edu marcou um hat-trick e superou a marca dos 1600 tentos, segundo cálculos do matemático Oswald de Souza. Em seguida, Giolo aplicou 3-0 no Borussia e fez Gilberto perder o rumo do vestiário. "Essa foi a legítima traulitada, como meu pai já dizia", declarou o técnico, escondendo-se na casamata.

No encerramento do turno, a delegação do Borussia Dortmund viajou ao Uruguai, deu uma passadinha básica no free shop de Rivera e não resistiu à cotação do dólar em baixa: foi às compras e levou sete gols da loja do Peñarol. E de nada adiantou pedir três de desconto. Carboneros 7-3.

Em matéria de goleadas, o segundo turno foi menos badalado do que o primeiro. Só que o público teve a oportunidade singular de assistir ao ressurgimento do Borussia, até então desacreditado na competição. Para delírio das mais de 350 muriçocas presentes ao estádio, o time alemão saiu na frente do Almeidense com um canudo arrematado pelo camisa 9 Andreas Möller. O técnico Gilberto estava decidido a reescrever a própria história. Só que a alegria durou pouco. Edu & Cia colocaram os pingos nos is: 3-1 para Giolo.

Diante dos algozes uruguaios, porém, os alemães não se acabrunharam e seguraram o zero no placar até o apito final, conquistando o primeiro e único ponto em quatro partidas. Uma saída honrosa que coroou a evolução do Borussia durante o torneio.

Na partida derradeira, Hélder precisava de uma vitória simples diante de Giolo para faturar o segundo turno. Só que os carboneros acabaram renovando a carteirinha de freguês e empataram em 1-1, deixando escapar a chance de levar a decisão do torneio para a finalíssima.

Números do campeonato
Artilheiro: Edu (Almeidense), 4 gols
Defesa menos vazada: Almeidense, 5 gols
Ataque mais positivo: Almeidense e Peñarol, 11 gols
Maior goleada: Peñarol 7-3 Borussia Dortmund

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Almo de Paula é campeão brasileiro de dadinho



O botonista Almo de Paula, do Clube Curitibano (PR), sagrou-se campeão brasileiro de futebol de mesa na modalidade dadinho, Série Ouro. Ele derrotou na final o jogador Brayner, do Vasco (RJ), de virada por 2 a 1.

A terceira edição do brasileiro aconteceu no último fim de semana em Brasília e contou com a participação de 40 atletas de quatro estados (Minas Gerais, Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro), além do Distrito Federal. Os jogadores foram divididos em três séries: Ouro, Prata e Bronze.

Almo, experiente nas mesas, tem no currículo um tricampeonato brasileiro da modalidade 12 toques. Seu adversário na final é considerado a revelação do dadinho, pois com 17 anos de idade já conquistou a Copa do Brasil, disputada em junho.

Na Série Prata, Tiago Matoso (Vasco-RJ) venceu Rebel (ADDP) e conquistou o título. Na Bronze, Bruno Machado superou Klaus em um duelo entre sócios da APCEF.

O campeonato brasileiro foi promovido pelas federações do Rio de Janeiro, Distrito Federal e pela Confederação Brasileira de Futebol de Mesa. A quarta edição do torneio está marcada para os dias 26 e 27 de Janeiro de 2012, no Rio de Janeiro.

Quadro de campeões brasileiros por equipes:
2009 - Daniel Marques (AABB-RJ)
2010 - Daniel Marques (AABB-RJ)
2011 - Almo de Paula (Curitibano-PR)


quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Nasce um campeão: Astra Sport Club


Que me perdoem o trocadilho infame, mas este clube já nasceu com estrela. É o Astra Sport Club de Futebol de Mesa, sucessor do Olympique de Marselha, cujas cores defendi por muitos anos.

A razão da aposentadoria dos marselheses é simples: por serem da regra gaúcha (1 toque), os botões não se adequavam à dinâmica da regra carioca (também conhecida como dadinho). Detalhes importantes como circunferência, altura e bainha foram cruciais para a substituição dos botões antigos por esses, novos, adquiridos junto aos amigos Bruno Romar e Ronald Neri.



Os botões perolados do Astra têm uma estrela gravada no centro. Como as cores e o layout lembram em muito o Botafogo, optei por criar um time fictício, sem correspondência com clubes reais. Até havia pensado em alternativas bacanas como Steaua Bucaresti (Romênia) ou Estrela Vermelha (Sérvia), mas nada parecia combinar.

Quem vai encarar? Que venham os adversários!

domingo, 16 de outubro de 2011

Oficina da regra dadinho em Campo Grande


Bruno Romar (na mesa) durante a oficina de dadinho em Campo Grande/MS

Ronald Neri, vice-presidente da Federação de Futebol de Mesa do Rio de Janeiro, e Bruno Romar, jogador do Vasco-RJ, estiveram em Campo Grande no último sábado (15) para ministrar uma oficina da regra dadinho para novos botonistas. O evento contou com a presença de 20 participantes. O flamenguista Rodiney Mauro foi o anfitrião do encontro.

Iniciantes no futmesa tiveram oportunidade de trocar conhecimento com quem já pratica há mais tempo. Os mais experientes aproveitaram para tirar dúvidas sobre a regra e fazer jogos-treino em duas mesas recém-adquiridas pela Sobotoms.

Neri e Romar trouxeram botões avulsos e times completos para vender a preços camaradas. No mostruário também havia botões feitos a partir de fichas antigas de pôquer - considerado um dos melhores materiais para a fabricação de botões.

Quem quiser saber mais sobre o futmesa pode ler uma entrevista concedida por Ronald Neri ao site Futmesa Brasil.com (clique aqui para acessar). Ele fala sobre a situação do dadinho no Rio de Janeiro e os desafios de promover a modalidade país afora. A entrevista foi feita pelo colunista Luciano Bendito.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Olympique fatura na promoção 'peça 5 e leve 20' do Almeidense



O Olympique de Marselha sofreu uma estrepitosa série de cinco derrotas em cinco jogos para o Almeidense na tarde desta terça-feira (11) no estádio Embrapão, em Campo Grande. Após o ignominioso resultado, o conselho deliberativo do clube reuniu-se às pressas e aprovou a mudança do lema inscrito no distintivo. A frase "Droit ao but" (direto ao gol, em francês) dará lugar a "Droit au maison" (direto para casa) já na próxima rodada do Campeonato Francês.

Aos prantos na descida ao vestiário depois da goleada sofrida de 6 a 1, o centroavante e ídolo marselhês Jean-Pierre Papin resumiu a campanha do time: "Foi como ver Panzers desfilando pela Champs Élysées", disse. O Olympique levou 20 gols do Almeidense e marcou apenas quatro durante a sequência de jogos. Questionado sobre o mau desempenho debaixo das traves, o goleiro do time francês discordou dos jornalistas: "Não vi nada disso que vocês estão falando", esquivou-se Stevie Wonder.

O técnico Hélder Rafael identificou que a principal deficiência da equipe é o ataque e pediu providências à direção do clube. O vice de futebol, Gilles de Roquefort, confirmou em coletiva à imprensa que o lutador Anderson Silva assinou pré-contrato com o clube e aguarda apenas da liberação do empresário Dana White para trocar o octógono pelas quatro riscas de cal. "Com o reforço vindo do MMA, esperamos melhorar nossas finalizações", afirmou o dirigente.

O próximo compromisso oficial dos franceses é um torneio no próximo sábado (15). Antes, porém, o time deve fazer amistosos para tentar recuperar o moral. Já foram agendados jogos contra a seleção sub-18 do Timor Leste, o time dos casados do bairro Coophavila II e os másteres do Atlético de Alagoinhas, da Bahia.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Alterações - 3º Campeonato Brasileiro de Futebol de Mesa 2011 - Modalidade dadinho


A Futebol de Mesa do Rio de Janeiro (Fefumerj) informa que está antecipando para 10 de outubro o prazo para depósito do valor das inscrições ao 3º Campeonato Brasileiro de Futebol de Mesa 2011- Modalidade Dadinho. O evento será disputado em Brasília nos dias 22 e 23 de outubro.

Saiba mais sobre a competição clicando aqui.

Os clubes devem ainda enviar a lista de atletas participantes, junto com o comprovante de depósito. A Fefumerj pede aos que clubes que não vão enviar nenhum atleta, que informem o quanto antes.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Novo e-mail de contato do blog

Galera, o blog Futebol de Mesa em Mato Grosso do Sul está com novo-email para receber contatos. É o futeboldemesams@gmail.com. Repassem, divulguem e enviem sugestões e dicas pra gente.

Campeonato Brasileiro interclubes de futmesa será em Petrópolis-RJ


Corinthians, atual campeão brasileiro interclubes


A cidade de Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, sediará a quinta edição do Campeonato Brasileiro Interclubes - Modalidade 12 Toques. A principal competição do futmesa nacional será de 12 a 15 de novembro no ginásio de esportes do Petropolitano Foot-Ball Club (Valparaiso).

Serão 24 equipes representando oito estados. O Corinthians, atual campeão brasileiro, já confirmou presença juntamente com Palmeiras (tricampeão 2007/08/09), Vasco da Gama (penta carioca), América (tetra carioca), Curitibano, Fluminense, entre outros.

O evento é organizado pela Confederação Brasileira de Futebol de Mesa em conjunto com a Federação de Futebol de Mesa do Estado do Rio de Janeiro (Fefumerj).

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Dúvidas frequentes da galera


Olá amigos do blog! Nos últimos dias, tenho recebido vários contatos de pessoas interessadas em jogar futebol de mesa em Mato Grosso do Sul. Notei que muitos tinham dúvidas comuns, por isso preparei este post para esclarecer alguns tópicos.

1) Não tenho time. Onde posso comprar?
R.: Visitei as principais lojas de material esportivo da cidade, e o que encontrei não foi animador. Não existe time de botão profissional à venda em Campo Grande, infelizmente. Duas lojas vendem botões semi-profissionais, mas que não são recomendados por causa do péssimo acabamento. O que dá para fazer é encomendar de fabricantes ou lojas especializadas no Rio ou em São Paulo. No menu à direita você encontra vários links.

2) Joguei futebol de mesa muitos anos atrás e hoje estou parado. Onde posso praticar?
R.: Existem grupos de jogadores que estão se organizando para criar um local aberto e de fácil acesso, para todos os interessados frequentarem. A meta do pessoal do blog é que em outubro teremos esse espaço definido.

3) A maioria dos botonistas em Campo Grande joga na regra dadinho, mas jogo em outra regra. O que faço?
R.: Nossa intenção não é limitar o número de participantes com base nas regras. Quanto mais gente, melhor. Se a pessoa está habituada com bola de feltro, vamos lutar para encontrar parceiros. De fato, a maioria joga dadinho. E um fator fundamental é a força que está sendo dada pela diretoria da Federação de Futebol de Mesa do Rio de Janeiro (Fefumerj). Eles estão com um trabalho sério de difusão da regra dadinho pelo país, e Mato Grosso do Sul está na rota.

4) Nunca joguei a sério e quero começar.
R.: Então está mais do que na hora de treinar! Pretendemos realizar campeonatos periódicos para que a galera adquira técnica e tenha experiência de jogo. É só assim que os jogadores melhoram, e o esporte se difunde pela cidade. Se você conhece alguém interessado, chame para participar também.

5) Futebol de mesa tem limite de idade? É coisa para criança?
R.: Não existe limite de idade, dos 8 aos 80 todo mundo pode jogar. A gente joga campeonatos valendo até troféus, mas claro que o futebol de mesa é um lazer, um passatempo. A existência de clubes e federações pelo país apenas demonstra o elevado grau de organização desse esporte genuinamente brasileiro.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Fotos dos torneios Centauro de Futebol de Mesa - Campo Grande/MS

Quer conhecer o futebol de mesa ou juntar-se ao nosso grupo? Entre em contato: helder.rafael16@gmail.com







domingo, 18 de setembro de 2011

Resultados dos Torneios Centauro de Futebol de Mesa


A Loja Centauro do Shopping Norte-Sul, em Campo Grande, cedeu gentilmente um espaço para a realização de partidas de futebol de mesa neste sábado, 17 de setembro. Ao todo, cinco botonistas locais e um convidado de Minas gerais participaram de três mini-torneios durante toda a tarde.

Você pode baixar a tabela completa de todos os Torneios Centauro. Confira a seguir o quadro geral das competições.

1º Torneio Centauro
Campeão: Breno (MG)
Participantes: Bira, Ricardo, Rafael e Hélder (MS); Breno (MG).
Fórmula da disputa: todos jogando entre si em turno único. Pontos corridos
Total de gols: 10 - Média de 1 gol por jogo

Resumo da campanha vitoriosa (Breno):
- 4 jogos - 2 vitórias e 2 empates
- 2 gols marcados - nenhum gol sofrido


2º Torneio Centauro
Campeão: Ricardo
Participantes: Ricardo, Rafael, Bira, Hélder
Fórmula da disputa: todos jogando entre si em turno único. Dois melhores avançam à final
Total de gols: 13 - Média de 1,85 gol por jogo

Resumo da campanha vitoriosa (Ricardo):
- 4 jogos - 2 vitórias e 2 empates
- 6 gols marcados - 2 gols sofridos

3º Torneio Centauro
Campeão: Ricardo
Participantes: Ricardo, Rafael, Bira, Hélder, Lucas
Fórmula da disputa: todos jogando entre si em turno único. Pontos corridos
Total de gols: 16 - Média de 1,6 gol por jogo

Resumo da campanha vitoriosa (Ricardo):
- 4 jogos - 4 vitórias
- 9 gols marcados - nenhum gol sofrido

Inédito: exibição pública do futebol de mesa no Shopping Norte-Sul


A galera do futebol de mesa realizou uma façanha inédita em Campo Grande neste sábado, 17 de setembro. Fizemos demonstrações públicas da modalidade na loja Centauro do Shopping Norte-Sul. Foram mais de seis horas de bola rolando em quadra e muita diversão para todos.

O espaço para a colocação de uma mesa oficial foi gentilmente cedido pela gerência da loja. Os botonistas que toparam o desafio de demonstrar o esporte foram: Bira, Lucas, Ricardo, Rafael e Hélder.

Nossos nobres leitores devem imaginar que um ambiente como shopping em dia de sábado não é o lugar mais propício para a prática do futebol de mesa. Com razão. O jogo demanda concentração dos botonistas, e a balbúrdia de um local público conspira contra o sucesso das partidas.

Entretanto, só por um dia deixamos de lado a seriedade imposta pelo regimento esportivo e abraçamos o lado lúdico do futebol de mesa. O resultado impressionou os participantes.

Botão para matar saudade
O grupo distribuiu centenas de panfletos de divulgação e permaneceu jogando campeonatos das 14h30 até as 20h30. Foram três mini-torneios de 4 ou 5 jogadores. E durante todo esse período, não teve um momento sequer que ficamos desacompanhados de pessoas atentas, curiosas e encantadas pelas partidas. A maioria era de adultos que resgatavam lembranças a cada reluzir do acrílico dos botões. "Ah, eu jogava muito isso quando era criança", diziam.

Havia também crianças, em bom número, interessadas nesse esporte genuinamente brasileiro. Aliás, dizem por aí que a atual geração infanto-juvenil perdeu o gosto pelas brincadeiras tradicionais e só quer saber de video-game e computador. E que, por essa ausência de praticantes, muitos dos divertimentos de outrora correm o risco de desaparecer - entre elas o botonismo.

Pessoalmente, não acredito nessa teoria. Os jogos eletrônicos estão ficando tão complexos e exigentes que será questão de tempo para os jovens abandoná-los. Ruas e praças, ainda que sujas e mal-vistas, logo voltarão a ser palco de peladas com pedras servindo como balizas; da bola de gude e do esconde-esconde; do jogo de taco e da bola indo parar embaixo da roda de algum ônibus coletivo...

Jogue futebol de mesa você também
Experimente a alegria que é defender as cores de um clube por meio dos times de botão. É só participar dos nossos campeonatos. Com isso você ajuda a difundir o esporte em Campo Grande e Mato Grosso do Sul. Não há limite de idade, apenas basta ter vontade. Escreva para helder.rafael16@gmail.com e venha com a gente.

3º Campeonato Brasileiro de Futebol de Mesa 2011 - Modalidade dadinho




A Federação Brasiliense de Futebol de Mesa e a Confederação Brasileira de Futebol de Mesa divulgam o programa do 3º Campeonato Brasileiro de Futebol de Mesa 2011, modalidade dadinho, que será realizada em Brasília-DF.

O convite é dirigido a botonistas, clubes e federações interessados. O prazo de inscrição termina no dia 19/10/2011.

A competição será nas dependências da APCEF (Associação do Pessoal da Caixa Econômica Federal), localizado no setor de clubes de Brasília-DF.

Mapa de localização: http://www.apontador.com.br/local/df/brasilia/clubes/2JM2S85Z/apcef.html

DATAS DO EVENTO: Dias 22 e 23 de Outubro de 2011.

FÓRMULA DE DISPUTA:

- 1ª Fase: 48 Botonistas divididos em 6 grupos de 8, classificando os 4 primeiros para a OURO, e os 4 últimos para a PRATA.

- 2ª Fase: OURO (16 Botonistas) , PRATA (16 Botonistas) e BRONZE (16 Botonistas).

PRÊMIOS: Os 8 (Oito) primeiros colocados de cada categoria e séries receberão a seguinte premiação: Troféu de 1º a 4º Lugares e medalhas de 5º a 8º Lugares. Todos os atletas receberão uma camisa comemorativa do evento.

TAXA DE INSCRIÇÃO: R$ 50,00

INSCRIÇÕES E MAIS INFORMAÇÕES: ronaldsneri@gmail.com

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Venha praticar futebol de mesa com a gente!


Quem conhece futebol de mesa ou já praticou algum dia mas está parado, agora tem a oportunidade de voltar a jogar. É que um grupo de pessoas está se mobilizando para organizar campeonatos e difundir o esporte aqui em Campo Grande/MS.

Não importa o seu nível de habilidade com os botões. Basta querer jogar e se juntar a nós. Interessado? Entre em contato pelo e-mail helder.rafael16@gmail.com

Na tarde de sábado, 17 de setembro, faremos partidas de exibição na loja Centauro do Shopping Norte-Sul (av. Ernesto Geisel). O objetivo é apresentar o futebol de mesa ao grande público e conhecer possíveis novos praticantes.

E para aquela turma que já jogava em outras regras mas abandonou o esporte por falta de tempo ou de parceiros, chegou a hora de retomar as atividades. Resgate seus botões do fundo daquele baú, dê uma polida neles e comece a treinar chutes a gol!

domingo, 11 de setembro de 2011

Cene vence e elimina Operário-PR na Série D do Brasileirão



A vitória veio, mas a classificação não. O Cene-MS venceu por 3 a 1 o Operário-PR na tarde deste domingo e chegou a 13 pontos no Grupo A7 da Série D do Campeonato Brasileiro. A pontuação é insuficiente para garantir o Furacão Amarelo na próxima fase, e a vaga será disputada em confronto direto com o Oeste-SP, em Itápolis, no domingo que vem. O Cene tem a vantagem do empate. Já o alvinegro paranaense, que precisa derrotar o mandante em Campo Grande para seguir vivo, está eliminado da competição.


Com o resultado, ambas as equipes permanecem na segunda e quarta posições, respectivamente. Na rodada do próximo domingo, o Cene enfrenta o Oeste em Itápolis-SP e o Operário recebe o Mirassol-SP em Ponta Grossa.


CONFIRA A TABELA E A CLASSIFICAÇÃO DA SÉRIE D


domingo, 4 de setembro de 2011

1º Torneio Integração - Almeidense campeão!


O Almeidense, do técnico Roberto Giolo, sagrou-se campeão geral do 1º Torneio Integração, disputado neste sábado (03/09) na sede da Embrapa em Campo Grande. O campeonato reuniu oito botonistas e contou com as estreias de Ricardo Velloso (Vasco) e Rafael Domingos (Flamengo) entre os companheiros da Sobotoms.

O torneio leva o nome de Integração, mas bem que poderia ser chamado de Evolução. O nível técnico cresceu em comparação a certames disputados recentemente, como a Copa Aniversário de Campo Grande ou o Torneio Amizade. O fato de não haver times exageradamente fracos ou fortes contribuiu para que os jogos fossem mais acirrados.

A tabela com dois grupos de quatro botonistas baseou-se no Campeonato Carioca: no primeiro turno, todos jogam entre si nos grupos. No segundo, os grupos se cruzam. De cada fase saíam os finalistas que disputavam o troféu simbólico (como nas taças Guanabara e Rio).

O campeão do turno pegaria o do returno, mas Roberto Giolo acabou com a festa alheia e conquistou as duas fases, dispensando a grande final.

O sucesso do Almeidense em quadra pode ser explicado pelo quesito regularidade. Roberto Giolo aproveitou a maioria dos pontos que disputou e manteve a contabilidade do ataque no azul. Fatores que refletiram de forma favorável nos confrontos decisivos de semifinal e final.

A seguir, uma breve análise sobre o desempenho dos participantes:

ALMEIDENSE (Roberto Giolo)
As principais jogadas ofensivas de Giolo são tramadas bem próximo à grande área, mas ele também faz boas incursões a partir do campo de defesa, com arremates a partir do centro do campo que levam muito perigo ao gol adversário. Seu toque de bola é refinado, e o treinador mantém a calma mesmo pressionado pelo adversário.

TRICOLOR (Rodrigo Alva)
O maior patrimônio do técnico está nos seus atacantes: botões de precisão incomum que arrematam bem em qualquer condição. Rodrigo sabe se virar na criação de jogadas ofensivas. É o famoso "time chato" de vencer.

VASCO (Ricardo Velloso)
É impetuoso no ataque e tem alta precisão no controle de bola. Quando o jogo tem ares de tensão, o treinador acaba transmitindo a carga emocional para a palheta - o que pode resultar em reação rápida se o time está em desvantagem. Mas o que conta a favor, também pesa contra. Diante de um adversário muito inferior, a mão pode descalibrar. Foi o caso do Clássico dos Milhões: apesar da avalanche de ataques vascaínos, o placar não saiu do zero contra o Flamengo.

FERROVIÁRIA-SP (Fernando)
É preciso nos chutes a gol e consegue surpreender seus adversários. Tanto que na primeira fase derrotou o Almeidense, que seria depois o campeão do torneio. "Fora o chocolate", nas palavras do técnico Roberto Giolo. Se souber aproveitar melhor a posse de bola na intermediária do ataque, será casca-grossa para qualquer desafiante.

OLYMPIQUE-FRA (Hélder)
O time francês bate a gol sempre que possível, sem trabalhar muito o dadinho. O técnico Hélder começa a experimentar o giro de jogadas entre os lados da cancha, visando ampliar o repertório ofensivo. Conduz a bola com segurança e se desvencilha da marcação com facilidade, mas ainda peca no último toque e desperdiça chances preciosas no ataque.

FLAMENGO (Rafael)
Não joga dadinho há anos e perdeu a prática da palhetada. Apesar de ter tido um desempenho fraco na competição, não fez feio: venceu o bom time da Ferroviária-SP logo na estreia e empatou em zero a zero com três adversários. Saiu do Torneio Integração de cabeça erguida, embora precise treinar mais se quiser brigar por títulos.

CANÇADÃO (Paulo)
Vi apenas um jogo e notei um time retraído em campo, criando pouco ofensivamente. Ao ser pressionado, demorava para revidar as agressões. No geral, Paulo detém todos os requisitos para ser um ótimo competidor.

BORUSSIA DORTMUND-ALE (Gilberto)
Também vi apenas uma partida. Time compacto que trabalha bem o dadinho e chuta a gol com perigo. Chegou às semis e por pouco não faturou um turno.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Baú do esporte: Lembra dele? Jean Carlo, ex-Palmeiras


Galera, abro o post com a reportagem que produzi sobre a carreira do Jean Carlo, ex-Palmeiras na Era Parmalat. A matéria foi publicada nesta sexta-feira (2) no Globoesporte.com, e faz parte da série "Achei!". 

Leia um trechinho: Se já é raro para um atleta chegar aos 40 anos de idade jogando bola, ganhar placa de homenagem por gol marcado então... O meia Jean Carlo, ex-Palmeiras entre 1992 e 1993, alcançou esse feito defendendo o Comercial-MS este ano pelo Campeonato Sul-Mato-Grossense. Clique aqui para continuar lendo!

sábado, 27 de agosto de 2011

1ª Copa Aniversário de Campo Grande: Almeidense x Olympique na final


Três botonistas da Sobotoms reuniram-se no fim da tarde de sábado, 27 de agosto, para disputar a 1ª Copa Aniversário de Campo Grande. A Embrapa Gado de Corte sediou as partidas entre Almeidense (Roberto), Internacional (Alexandre) e Olympique-FRA (Hélder). Todos jogaram entre si em turno e returno, sendo que os campeões de cada fase passaram à grande final.

Franceses interrompem série 
de vitórias do Almeidense
A abertura do torneio começou com um resultado estarrecedor: caiu a bastilha Almeidense diante dos revoltosos de Marselha. O time do Roberto jamais havia perdido na Embrapa até o fatídico 2-1, e sua invencibilidade de dezenas de jogos evanesceu-se ante um Olympique indomável no ataque e sólido na defesa.

Em seguida, os marselheses enfrentaram um adversário incógnito. O Internacional do Alexandre, que também disputa a Taça Marandu 2011, está nas quartas de final. Em quadra, o Olympique fez um jogo equilibrado mas o adversário mostrou ter bala na agulha: 2-2.

Almeidense e Inter encerraram a rodada, e a vitória do Roberto por 2-0 serviu para garantir o título do primeiro turno ao Olympique.

Em cena, borrachudos 
devoradores de sangue
Já no returno, os mosquitos borrachudos entraram em cena para atrapalhar os botonistas. O providencial creme repelente do Alexandre fez com que seguíssemos adiante na copa.

O Olympique pegou um Almeidense doido pela revanche. Tal era a gana que durante todo o segundo tempo os franceses ficaram acuados no campo de defesa, mal se esquivando da artilharia do Roberto. Mas no finzinho da partida o Olympique arrancou a vitória com um gol quase mágico: após o arremate, o dadinho quicou em frente ao goleiro e o encobriu. 1-0, sem apelo para Edu & Cia.

No jogo seguinte, parecia que todos os arremates almeidenses que não balançaram a rede marselhesa encontraram o caminho certo na meta colorada. Roberto fez 5-0 e sepultou a chance do Alexandre de conquistar o segundo turno.

Olympique deixa escapar 
título antecipado
Ao Olympique, bastava um empate contra o Inter para levar antecipadamente o título da 1ª Copa Aniversário de Campo Grande. Mas o que se viu em quadra foi um verdadeiro apagão francês. Mesmo levando perigo à meta colorada, foi Alexandre quem abriu a contagem no segundo tempo. E ficou nisso: 1-0 Inter, e Roberto campeão do segundo turno por ter o melhor saldo de gols.

Na semana que vem, Olympique e Almeidense devem voltar a campo para fazer a grande final da competição em jogos de ida e volta. Os franceses vão se precaver porque, durante a 1ª Copa da Amizade, a campanha irrepreensível obtida nas fases anteriores desmoronou justo na final, contra o Operário-MS.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Divulgada a tabela do 1º Torneio Amizade!

Pessoal, para quem quiser conferir e fazer download aqui está a tabela completa do 1º Torneio Amizade de futebol de mesa.

Resumo da campanha vitoriosa (Operário-MS - Gil):
12 jogos
6 vitórias
4 empates
2 derrotas
13 gols marcados
9 gols sofridos

Dados gerais do 1º Torneio Amizade:
28 partidas
60 gols
2,14 gols por partida
Placar mais repetido: 1 x 1 (sete vezes)
Placar mais elástico: 3 x 0 (quatro vezes)
Ataque mais positivo: Vasco - Ricardo (18 gols)
Defesa menos vazada: Grêmio - Hélder (7 gols)

domingo, 21 de agosto de 2011

1º Torneio Amizade de futebol de mesa - sucesso absoluto!


Dizem que a popularidade universal do futebol pode ser explicada pela imponderabilidade dos resultados. Ao contrário de outras modalidades coletivas, como basquete ou beisebol - em que a regularidade de desempenho dos atletas é um índice seguro para se apontar o provável campeão - no futebol nem sempre o melhor time ergue a taça no final. E no futebol de mesa, por derivar do esporte bretão, a máxima não poderia ser diferente. Tanto é assim que ao disputar o 1º Torneio Amizade, neste sábado (20), fiz uma excelente campanha e perdi apenas uma vez em 12 jogos. A derrota aconteceu justamente na final...

Defendi a camisa do Grêmio no torneio organizado pelo botonista Ricardo Velloso. Reuniram-se cinco jogadores: Ricardo (Vasco), Hélder (Grêmio), João (Alemanha), Vitor (São Paulo) e Gil (Operário-MS).

A forma de disputa consistia em todos contra todos em turno e returno. Os quatro melhores avançavam às semifinais para fazer jogos de ida e volta. A final e a disputa de terceiro lugar também seriam feitas em dois jogos.

O Grêmio estreou frio, mas nos jogos seguintes soube impor seu ritmo cadenciado e com avanços cirúrgicos ao ataque. A criação de jogadas a partir do campo de defesa foi o ponto forte do tricolor durante a primeira fase. Os atacantes capricharam na pontaria, aliás, pontaria que havia desaparecido durante a série de amistosos contra o Vasco na semana passada. (Veja neste post: em cinco jogos, cinco derrotas do tricolor para os cruzmaltinos!)

O tricolor terminou a primeira fase como líder invicto: seis vitórias e dois empates contra Vasco e Operário-MS.

No jogo de ida das semifinais, confronto dificílimo contra a Alemanha. João abriu o marcador e os gremistas tiveram de suar a paleta até arrancar o empate. Por causa do melhor retrospecto na fase anterior, o Grêmio contava com a vantagem do empate no jogo de volta para chegar às finais. Mas não foi preciso usar o regulamento: após um começo de partida arrasador, o placar final mostrou 3 a 1.

Vasco e Operário-MS fizeram dois duelos tensos na outra chave da semi. Os cruzmaltinos apresentaram maior volume de jogo em vários momentos, mas nas subidas ao ataque os operarianos mostraram melhor eficiência.

Na finalíssima do 1º Torneio Amizade, o Grêmio avassalador da primeira fase estava irreconhecível. Um time desencontrado em quadra, sem criatividade ofensiva e perdendo bola em lances primários. O Operário-MS fez um gol, levou perigo por diversas vezes e administrou o resultado favorável. Àquela altura, a vantagem gremista do melhor retrospecto tinha evaporado. O empate no jogo de volta daria o título aos campo-grandenses.

E se para o Grêmio era a vitória ou nada, o time correspondeu: 1 a 0 logo no início. Veio o empate e a virada do Operário-MS, mas o tricolor reagiu e empatou novamente. Os alvinegros marcaram pela terceira vez, só que nem o novo empate nem a forte pressão ofensiva foram capazes de reverter a história do confronto. Final: 3 a 3 e Operário-MS campeão do 1º Torneio Amizade. Parabéns ao Gil, que se mostrou um excelente desportista além de craque no botão!

Mais importante do que a definição de quem é o melhor no futebol de mesa foram os momentos agradáveis que o Torneio Amizade propiciou. Aquelas horas de lazer e descontração passaram voando sem que ninguém notasse: começamos a jogar às 14h30 e só paramos às 21 horas! Ao todo, disputamos 28 partidas de 11 minutos cada, em tempo único.

Sensacional a iniciativa do Ricardo Velloso em organizar os duelos. Ele até ofertou troféus para os três melhores colocados. Meu caneco de 2º lugar já está em casa, no lugar mais alto da estante.

E já agendamos compromisso para o próximo sábado, quem sabe com novidades. Teremos mais participantes? O Grêmio virá "babando" (nas palavras do amigo Gil) em busca da revanche? O Vasco irá reencontrar seu bom futebol? A Alemanha, sempre ameaçadora, será o bicho-papão do torneio? E o São Paulo conseguirá apresentar evolução dentro das quatro linhas? É o que todos certamente ficarão ansiosos por descobrir...

sábado, 13 de agosto de 2011

Contra o Vasco, duelos duríssimos

A busca por praticantes de futebol de mesa em Mato Grosso do Sul começa a superar as expectativas e a render bons frutos. Prova disso é o contato feito pelo botonista Ricardo Velloso, carioca radicado em Campo Grande. Marcamos uma tarde para apresentações e amistosos entre o seu Clube de Regatas Vasco da Gama e a minha legião estrangeira.

Velloso, que é jogador da regra dadinho, me venceu em todas as cinco partidas que disputamos. Mas em três delas, vendi caro o resultado e tive chances claras de alcançar o empate ou mesmo sair vitorioso. A série ficou em 2-1; 1-0; 1-0; 1-0; e 3-0.

Na primeira partida, entrei em quadra com a delegação de toque-toque do Olympique. Logo percebi que são impróprios para jogar naquela dimensão de campo. A derrota anunciada acabou se confirmando. Em seguida convoquei os botões de um toque, usados na regra gaúcha. Um combinado de vascaínos (sim, meus!) e alemães da seleção nacional.

Comparativamente aos cruzmaltinos do Velloso, meus jogadores são mais altos e com dimensões uniformes, mas isso não se constituiu em vantagem técnica dentro das quatro linhas. Ganhei precisão nos arremates em relação aos botões de toque-toque, só que a mão destreinada não correspondia. Teve muita bola na trave, bola resvalando a mão do goleiro, mas estufar a rede que era bom, nada. Além do mais, meu modo de jogo ainda estava muito preso ao meio de campo, e mal explorava os avanços à intermediária.

Chamou-me a atenção a qualidade técnica do Velloso na armação de jogadas pela meia cancha. Procura arrematar a gol assim que clareava um lance. Quando se aproxima da grande área, usa um atacante encarniçado que tem ótimo controle do dadinho e é preciso no arremate. O aproveitamento do vascaíno no ataque foi altíssimo: em todas as cinco partidas disputadas, levei gol no primeiro tempo.

Fizemos também uma partida curta na regra gaúcha. Venci por 2-0. Mesmo reconhecendo que meu adversário é dúzias de vezes mais experiente e habilidoso do que eu, saí gratificado por ter aprendido um pouco mais. O próximo passo será adquirir um time dessa regra e me acostumar com os botões, porque talvez os de um toque não tenham vida longa com o dadinho.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Futebol de mesa, deu na Globo!

O Globo Esporte local, exibido pela TV Morena, veiculou na edição de quinta-feira (11) uma reportagem sobre a prática do futebol de mesa em Mato Grosso do Sul. Apesar de pouco difundido no estado, o botonismo já reúne mais de 30 praticantes na Embrapa Gado de Corte. A reportagem do meu colega e amigo Alexandre Cabral tem até narração dos lances pelo Marcos Antônio Silvestre, confira!

Apesar de pouco difundido, futebol de mesa reúne praticantes em MS


A chapa está esquentando...

A notícia de que existe uma associação de botonistas em Campo Grande começa a despertar a atenção daqueles jogadores que antes não tinham com quem jogar. Começo a receber vários contatos e informações de pessoas interessadas em conhecer ou aderir à Sobotoms, e acredito que a modalidade irá rapidamente se difundir pela cidade.

Fique ligado no blog Futebol de Mesa em MS para acompanhar a evolução desse esporte em terras pantaneiras!

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Tinha um Almeidense no meio do caminho...

... e no meio do caminho tinha um goleador de nome Edu. Fiz minha primeira incursão no futebol de mesa em Mato Grosso do Sul, com meu time de toque-toque do Olympique-FRA. A convite do Roberto Giolo, da Embrapa Gado de Corte, fiz amistosos com o pessoal da Sobotons. Seria também minha primeira experiência com um dadinho como bola em vez da tradicional pastilha.

O primeiro confronto do dia foi Ipatinga-MG x Olympique-FRA, entre Marlene e eu, jogo livre e sem marcação de tempo. No começo, meus chutes a gol saíam fracos e sem rumo, mas durante a partida fui me habituando aos poucos. A Marlene ofereceu um ótimo desafio e por várias vezes ameaçou a meta marselhesa. Meus atacantes carimbaram a trave três vezes, e no último instante da partida o dadinho entrou! Aquela vitória era um bom auspício para a delegação francesa em solo pantaneiro.

Mas no meio do caminho tinha um time, e esse time se chamava Associação Atlética Almeidense. A idade que o time tem de existência, eu tenho de vida. O camisa 9, um tal de Edu, já tem mais de 1500 gols na conta. Tanto o técnico Roberto Giolo como eu estávamos ansiosos por aquele "confronto de gerações" e de botões tão distintos entre si.

Os puxadores do toque-toque são, na média, menores em diâmetro porém mais altos do que os carioquinhas do Almeidense. À exceção dos beques que se equivaliam.

Como cresci acostumado a disputar jogos em campos menores (Estrelão, Xalingo), atuar em uma quadra maior requeria uma tática diferente. Mas não consegui, num primeiro momento, abandonar o hábito de arrematar a gol logo após cruzar a linha do meio de campo. Meus chutes passavam próximo da meta mas não entravam.

O Almeidense desenhou um esquema de jogo pontiagudo, em que todas as principais jogadas de ataque concentravam-se no Edu, que ficava ciscando em frente à grande área. Ele estufou a rede uma vez, e o Giolo ganhou aquela partida por 3 a 0.

Avaliei ao término do jogo que o placar não refletia o que ocorreu em campo, com boas chances de gol para ambos os lados. Eu quis deixar minha marca mas meus atacantes não se mostraram precisos o suficiente para atirar o dadinho no gol. Também eu estava com a "mão pesada", afinal fazia mais de 10 anos que eu não jogava futebol de mesa.

Roberto Giolo então propôs que mudássemos de regra, momento em que sugeri o toque-toque. Ainda que a quadra não fosse a mais adequada, o desafio foi aceito. O toque-toque tem algumas variantes na regra que se justificam pela menor dimensão do campo. Um exemplo é o "cava ou tira", em que o jogador com a posse de bola desafia o outro a dividir a jogada (cavando assim um lateral ou escanteio a seu favor) ou então remover o botão do caminho. Se o campo é mais amplo, são raras as oportunidades dessa bola prensada.

Outra variante é a "bola na mão", quando a pastilha fica sobre ou sob o atleta. Como o carioquinha é muito fino, a pastilha ou o dadinho sobem facilmente sobre ele. Tem também a possibilidade de virar a bolinha com a mão antes do chute, caso ela esteja com a face lisa voltada para baixo (se estiver assim, ela não ganhará altura ao ser chutada).

Pastilha em campo e aparece outro problema. Aliás, "aparece" é força de expressão... a bolinha perolada quase sumiu na quadra cor de madeira! Difícil de enxergar... parecia jogo noturno no Morenão.

Os botões do Almeidense mostraram superioridade técnica, e o time contou com a qualidade de  seu treinador para fazer 2 a 0, fácil. Entrei para o livro de estatísticas do Giolo... dois jogos, duas derrotas. Mas valeu a diversão!

Futebol de mesa em MS existe, sim!

Encontrei um grupo de quase 30 botonistas em Campo Grande, a maioria deles pesquisadores na Embrapa Gado de Corte. O pessoal joga na regra dadinho e sempre após o expediente, na própria sede da Embrapa, onde há boa infraestrutura e duas quadras em medidas oficiais.

Fui conferir a jogatina e o povo é bastante entusiasmado com o botonismo. Tanto que a febre contagiou até a pesquisadora Marlene, que defende as cores do Ipatinga-MG. O Davi está organizando uma associação sem fins lucrativos, a Sobotoms, para difundir o esporte em MS e também organizar campeonatos oficiais. A iniciativa é excelente e tem tudo para dar resultados positivos.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Surgem os primeiros interessados

Já fiz alguns bons contatos com pessoas interessadas em desenvolver o futebol de mesa em Mato Grosso do Sul. O desafio, agora, é conseguir uma mesa oficial para disputar partidas.

Se você está curioso em conhecer ou esporte ou quer jogar com a gente, entre em contato pelo Twitter (@helderrafael16) ou pelo e-mail helder.rafael16@gmail.com

Meu time ideal



Galera, há pelo menos 10 anos não jogo botão pra valer, mas ainda mantenho meus times bem guardados. Os botões da regra gaúcha, os tenho em uma maleta especialmente feita para eles. Já os puxadores convivem sem problemas em um saquinho de pano. São quatro times ao todo, dois na modalidade um-toque e dois no toque-toque.

O toque-toque ocupou boa parte da minha infância. Eu me reunia com os amigos da rua no bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre-RS, para disputar campeonatos no fim de semana. Se as mães implicavam com a algazarra na sala de casa, íamos com a mesa "Estrelão" ou "Xalingão" para a calçada mesmo. E lá fazíamos nossos torneios a sério.

O time que aparece na foto foi formado por mim entre 1995 e 1996, época em que o Botafogo de Túlio Maravilha mandou no futebol brasileiro. Em homenagem ao craque, batizei meu centroavante.

Aliás, note a disposição dos botões: é como devem ser distribuídos no campo de defesa. Uma linha de cinco jogadores rente à linha de meio-campo, e na zaga dois laterais, um volante e uma dupla de zaga, que fica junto ao goleiro para dificultar as bolas alçadas nos cantos.

Também nessa época o Grêmio Foot-ball Porto-Alegrense mandava na América, o que importou na minha dupla de zaga: Adilson e Rivarola. O camisa 8 era o Luis Carlos Goiano, e o camisa 6, Roger. Tem ainda o botão de cores do Brasil, apelidado obviamente de Brasileirinho, mas do resto não me recordo o nome.

O time está com o escudo do Olympique de Marselha, mas só para não ficar sem distintivo mesmo. Abaixo segue um jogo de camisas do Botafogo-95 que encontrei no blog Mundo Botafogo.

Regras, qual seguir?


Não sou profundo conhecedor de todas as modalidades do botonismo, já que em cada estado há uma variante. Como aprendi a jogar no Rio Grande do Sul, aprendi primeiramente o toque-toque, partindo depois para o um-toque ou regra gaúcha.

O toque-toque é jogado em tabuleiros de menor dimensão e com os botões "puxadores". Na minha opinião, é a regra ideal para quem quer conhecer o esporte, pois as regras são menos rigorosas do que nos outros padrões de jogo.

Pode-se conduzir a bola indefinidamente até que se erre o passe ou erre o toque do jogador na bola, evidentemente. É mais dinâmico e com maiores possibilidades de chute a gol. Dá pra balançar legal o filó!

Já na regra gaúcha ou um-toque, como o nome pressupõe, o jogador toca a bola, e se tabelar com um botão companheiro, pode dar mais um toque. Aí passa a vez. O legal dessa regra, disputada em mesas maiores, é que o jogo fica mais técnico e menos corrido.

Como você não pode dar vários toques (ou fazer vários passes) para subir o ataque, torna-se fundamental construir a jogada para deixar o atacante em condições de arremate. Aliás, chute a gol não é fácil por causa da distância em relação à meta. A precisão cai bastante. Apesar de exigentes, esses fatores deixam a dinâmica da partida bem mais interessante e complexa.

No mais, as regras do botonismo têm quase os mesmos componentes do futebol de campo: impedimento, bola na mão (sim, na mão do botão!), falta técnica, escanteio etc.

Quer conhecer a fundo a regra gaúcha? Vá direto à página da Liga Gaúcha.

Botonismo é um esporte caro?



Amigos do blog, para que o botonismo se desenvolva como esporte em Mato Grosso do Sul, é preciso que haja uma mínima estrutura para receber praticantes e curiosos. Mas isso não se traduz em despesas altíssimas, não. É muito barato jogar futebol de mesa, acreditem.

A começar pela montagem do time. Na loja Bazar Mimo, em Porto Alegre-RS, um time completo e simples da regra gaúcha (com goleiro, 10 botões, bolinha, palheta e goleira) custa R$ 16,00. Os botões torneados (com melhor acabamento) saem R$ 30,00 a dezena. Já o botão de acrílico comum, o "puxador", sai por R$ 1 a unidade.

Acessórios em geral são super baratos, como cartela de distintivos a R$ 2,00, traves oficiais a R$ 20,00 o par, e goleiros da regra gaúcha a R$ 5,00. Cores e modelos a escolher.

As mesas são reforçadas e feitas em material de qualidade. São os itens mais caros, porém, de grande durabilidade. Uma mesa oficial da regra gaúcha tem 1,8 metro de comprimento por 1,4 metro de largura e sai por R$ 320 na Bazar Mimo. A semi-oficial, um pouco menor, custa R$ 220. A pequena, R$ 120. A infantil (89 x 63 cm), conhecida como Estrelão, vale R$ 25.

Dá para montar um time de puxadores por R$ 15,00, comprar uma mesa infantil de R$ 25, mais alguns acessórios...  com R$ 50 fecha a conta para dois jogadores. Mas como o esporte é realmente apaixonante, quem começar no Estrelão vai querer migrar para as regras oficiais.

Links bacanas



A foto aí em cima é de meu time de "puxadores" (pelo menos é assim que a criançada chamava esse tipo de botão de acrílico, intermediário entre os "panelinhas" de plástico mole e os "torneados" e "perolados" da regra gaúcha). Note que o goleiro é bem mais largo do que o que aparece à esquerda e também no post anterior. E ele joga em pé, enquanto o outro joga deitado. (Darei detalhes das regras em outro post)

Para quem nunca ouviu falar sobre botonismo e quer conhecer mais sobre o assunto, deixo como sugestão alguns links interessantes.

  • Bazar Mimo - loja em Porto Alegre/RS que considero a Meca do futebol de mesa. Existe há 30 anos no centro da cidade e tem de tudo sobre o esporte. Também oferece mesas para quem quiser tirar uma partida amistosa. Ah, aceita encomendas.
  • Fábrica de mesas Futmesagol - fábrica em São Paulo que produz quadras para as regras gaúcha, paulista e carioca. 
  • Liga Gaúcha - além de ser a página com as notícias dos afiliados e das competições, traz um artigo bacana contando a história do botonismo no país, que surgiu em 1930. Vale a pena conferir.
  • Futebol de Mesa News - site especializado em notícias do botonismo. Dá para perceber pelas notícias como o esporte envolve o pessoal em todo o país para as competições.
  • Blog Escudinhos - não podia deixar faltar um comentário sobre essas mentes criativas que enriquecem o botonismo. E o mais legal é que dá para fazer o download das artes e imprimir por conta própria!

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Bem, amigos!


Olá pessoal! Criei este blog para servir de apoio a um projeto que pretendo desenvolver em Mato Grosso do Sul: a prática do futebol de mesa. Quando criança e adolescente, joguei muito botão em Porto Alegre-RS, onde nasci. Já adulto, vivendo e trabalhando em Campo Grande-MS, decidi resgatar esse esporte tão bacana.

O problema é que há semanas procuro alguém que jogue futebol de mesa, ou pelo menos se interesse em praticá-lo... mas está difícil. Primeiro, porque não há lojas especializadas no comércio de botões, mesas, distintivos e demais petrechos. Segundo, porque talvez haja um preconceito em torno do botonismo, uma vez que é associado a "brincadeira infantil".

Pois bem, nesse blog pretendo difundir informações sobre o futebol de mesa no sentido de introduzir o esporte em Mato Grosso do Sul e contribuir para que mais pessoas se interessem pelo assunto. E também, mostrar que não se trata de brinquedo, mas sim, coisa séria e largamente praticada - por adultos, em sua maioria. No Rio Grande do Sul, assim como em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e outras regiões do país, o botonismo tem regras próprias e até federação.

Fiquem ligados no blog "Futebol de Mesa em MS", pois quem sabe quando reunirmos um grupo bacana poderemos disputar campeonatos e, quem sabe, fundar uma liga! A primeira liga sul-mato-grossense de botonismo. Seria isso uma ilusão? Quem poderá saber? Só arregaçando as mangas para descobrir. Vamos nessa? Interessados podem entrar em contato pelo Twitter (@helderrafael16) ou helder.rafael16@gmail.com

P.S.: A foto que ilustra o post mostra minha caixinha de botões da regra gaúcha. Tenho dois times, um goleiro, bolinhas e palheta. Só falta a mesa.

Cene Círculo Militar de Campo Grande Comercial Escola do São Paulo Operário Sobotoms